terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Análise da obra:"A Dança", de Henri Matisse

A Dança, do pintor francês Henri Matisse, é uma obra que se encontra exposta no Museu Hermitage em São Petersburgo na  Rússia . É pintada em óleo sobre tela e mede 260 centímetros de altura por 389 centímetros de largura.
Existem duas versões desta obra. A primeira (de 1909), actualmente no  MomA, em Nova Iorque, usa cores mais pálidas e menos detalhes. A segunda versão (1910), que se encontra no Museu Hermitage utiliza uma paleta cromática fauvista mais clássica.
A pintura foi encomendada pelo patrono de Matisse, Sergei Shchukin, em conjunto com outra obra, chamada Música.
As pinturas seriam colocadas no Palácio Trubetskoy, mansão de Sergei em Moscovo, e, a princípio, Sergei não gostou da ideia de ter pinturas com personagens nuas expostas ao público. Por isso pediu que as bailarinas tivessem vestidos, mas Matisse não concordou e enviou ao seu patrono esboços em aguarela das dançarinas nuas. Com o esboço em mãos, Sergei mudou rapidamente de ideias.

No entanto quando a obra, ainda inacabada, foi exposta no Salão de Outono de 1910 em Paris, o seu autor foi alvo de duras críticas, que fizeram com que o seu patrono cancelasse a encomenda. Embora o golpe tenha deixado o artista desanimado, após alguns dias de reflexão, Matisse decidiu concluí-la.

Acredita-se que a ideia da composição surgiu em 1905, enquanto o pintor observava alguns pescadores a realizar uma dança de roda, a sardana, numa praia do sul de França. As formas simplificadas das dançarinas ocupam toda a tela, num padrão rítmico de movimento expressivo. Além disso, Matisse limitou a sua paleta a apenas três cores: azul para o céu, laranja-rosado para os corpos e verde para as colinas.

A simplicidade do desenho, com os seus três elementos básicos - dançarinas, uma vastidão vazia de verde e outra de azul -, cria uma imagem na qual as relações abstractas entre forma e cor são fundamentais.

Destacam-se nesta obra entre outros elementos, as imagens distorcidas: cinco personagens dão as mãos com o objectivo de criar um círculo, como parte de uma dança em turbilhão. A energia resultante da dança é passada ao espectador através dos contornos sinuosos das pernas e dos pés da dançarina na extremidade.
As curvas rítmicas: dispostos contra o fundo azul, os braços castanho-avermelhados das dançarinas criam um ritmo ondulado por toda a composição. A anatomia delas é simplificada para aumentar o impacto. Enquanto a dançarina do meio inclina a sua cabeça para a frente, a curva dos seus ombros torna-se parte dos padrões ascendentes e descendentes dos braços entrelaçados. Surgem ainda elementos cortados: na parte superior, à direita, o contorno da cabeça de uma das dançarinas é cortado pelo limite da tela, ajudando a dar a impressão de movimento. Em outros pontos do quadro as personagens atravessam ou tocam a margem. O confinamento faz com que o olhar se mantenha concentrado na composição intencionalmente simples.
A Dança de Matisse alude à obra de Igor Stravinsky A Sagração da Primavera. Sob certo ponto de vista, a representação de figuras que dançam num frenesim embriagante e primitivo, em A Dança alude ao ritmo diabólico e demolidor de A Sagração da Primavera.
wikipedia(imagens)
File:La danse (I) by Matisse.jpg
A Dança (1909) Henri Matisse
File:Matisse - Music.jpg
Música  (1910) - Henri Matisse. A obra  A Dança  foi encomendada pelo patrono de Matisse, Sergei Shchukin, em conjunto com esta obra.
File:Matissedance.jpg
A Dança (1910) Henri Matisse



2 comentários:

  1. Boa noite!

    Obrigado pela análise, Carla!

    Será que A dança, segunda música do Legião (a primeira é Será), teria alusão com essa obra do Henri Matisse?

    Bons momentos.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite!

    Obrigado pela análise, Carla!

    Será que A dança, segunda música do Legião (a primeira é Será), teria alusão com essa obra do Henri Matisse?

    Bons momentos.

    ResponderEliminar